Que tal ter um novo olhar sobre os ciclos femininos?


ven-banner-rodape

Quem aí muitas vezes não se referiu ao período menstrual como “os piores dias”, “aqueles dias horríveis” e outras formas mais negativas ainda? O ciclo feminino, que não compreende apenas a época da menstruação, possui uma série de mudanças hormonais, que alteram diretamente as emoções, o humor, o vigor físico e a disposição. Hoje trouxemos a jornalista e facilitadora Cristiane Souza, que apresenta uma proposta de olhar de maneira diferente e compreender as diversas fases vividas pelas mulheres. Ela estará no Congresso Online de Terapias Naturais para a Saúde a Mulher, apresentando a proposta e nos dando dicas valiosas para uma vida harmonizada. Vamos conhecê-la melhor?

 

Cristiane Souza, jornalista e facilitadora em autoconhecimento

Cristiane Souza, jornalista e facilitadora em autoconhecimento

Conte-me um pouco da sua trajetória de trabalho.

Falar da minha trajetória profissional é algo bastante curioso. Pois trago comigo experiências de gestão, venda-direta, docência, voluntariado, dedicação exclusiva ao lar e se eu forçar a cabeça talvez lembre de mais algumas. Sou jornalista e, atualmente, trabalho de modo freelancer com produção de conteúdo e revisão. Sou também escritora, com livros infantis publicados desde 2014, e facilitadora em palestras e treinamentos. Sou editora do blog entreciclos, que acalenta alguns projetos bastante importantes pra mim, como um livro reportagem sobre as alterações hormonais vividas pelo corpo feminino ao longo da vida e uma comunidade de conteúdo exclusivo e em vídeo, estes projetos estão em momento de replanejamento.
O período menstrual quase sempre é caracterizado por um momento ruim, de cólica, dores de cabeça, mau-humor. Você acha que essa visão negativa pode agravar os sintomas?

Eu não acho. Tenho certeza. Boa parte do que sentimos está relacionado aos preconceitos sobre o assunto ou experiência anterior. Não estou dizendo que os sintomas sejam psicológicos, porque não o são, mas que eles podem ser agravados por uma autossugestão, gerando, inclusive, o uso de medicações desnecessárias. É por conta da promessa de alívio destes sintomas que muitas mulheres optam por viverem sem menstruar. Fazendo uso de métodos contraceptivos em modo contínuo, por exemplo. Além do sentimento de maior segurança de não ter esquecimentos ou equívocos no uso da medicação.
É possível pensar esse período de maneira diferente?

Sim. É possível. Aliás, para tudo na vida sempre é possível pensar de maneira diferente. Mas isso exige uma postura ativa, e observar e se manter em disciplina dá trabalho. Pensar diferente já é um bom começo, mas é preciso viver diferente.
Pode contar-me com pouco mais sobre o Ciclo Lunar e sua proposta?

Em resumo, podemos dizer que o calendário lunar é uma ferramenta terapêutica e medicinal que convida mulheres a se reconhecerem em seus ciclos naturais. Muitas de nós andamos distraídas, esquecidas dos ciclos que regem o fluxo natural do nosso organismo. Da vida. A Lua influencia os ciclos de plantações e de colheitas, as águas dos rios e oceanos, seria pretensão imaginar que não recebemos nenhuma influência deste astro no nosso corpo, formado de mais de 90% de água. No caso da mulher, a relação com o ciclo menstrual é bastante marcada. Este ciclo pessoal se parece muito com o Ciclo Lunar Cósmico, que possui  4 etapas: Lua Nova, Crescente, Cheia e Minguante. Em nosso corpo, esse ciclo se manifesta na maturação do óvulo e pela ação hormonal de nossas glândulas endócrinas. Este ciclo, assim como a lua cósmica, tem em média 28 dias e cada fase do ciclo dura em média 7 dias. Mas por que não costumamos pensar sobre isso? Por que sentimos que isso parece cris-falauma ideia estranha ou coisa de “bruxas”, de “naturalistas”? E seguimos ignorando essa realidade hormonal? Deveríamos unir os conhecimentos antigos aos científicos. Mas não é o que acontece. Somos mulheres, talvez uma palavra que possa nos descrever seja mudança. Aceitar que estamos em constante mudança, que nossos hormônios afetam nossa vida, que somos cíclicas, lunares, saberes estes que datam desde o início da civilização humana, a partir de sua auto-observação. Esta ferramenta, o Calendário Lunar Pessoal, pode ser utilizada até mesmo por mulheres que não mais menstruam! Eu mesma não tenho mais o útero. Enquanto isso, vamos convivendo com estatísticas que entristecem, como que durante o período pré-menstrual ocorrem 48% dos acidentes de carro e 25% das tentativas de suicídio envolvendo mulheres.

Poder se compreender, se amar e se aceitar pela visão cíclica do ser é certamente de grande importância para a vida das mulheres, que vivem diversos desafios diariamente. É uma grande oportunidade a palestra da Cristiane no Congresso Online de Terapias Naturais para a Saúde da Mulher! Por isso mesmo fique atenta para garantir a sua VAGA GRATUITA acesse http://terapeutasbrasil.eplaces.com.br/. Enquanto isso, confirme a sua presença no evento no Facebook https://www.facebook.com/events/636678199819406/ para não perder nenhuma novidade!

Você pode acompanhar o trabalho da Cristiane Souza pelo Facebook www.facebook.com/cristianesouzaescritora e pelo site http://entreciclos.com.br/.

Você já observou os ciclos da sua vida? Já conseguiu perceber algum padrão de emoção ou comportamento? Conte para nós nos comentários!

ven-banner-rodape

Deixe seu comentário